Número de Ataques Cibernéticos no Brasil Quase que Dobrou em 2018

Segundo dados do 4º Relatório de Segurança Digital no Brasil elaborado pelo dfndr lab, especializado em ciber-segurança da PSafe, foram detectados 120,7 milhões de ataques cibernéticos no primeiro semestre de 2018, representando crescimento de 95,9%.

Nos últimos três meses do ano, foram registrados 63,8 milhões de links maliciosos, aumento de 12% em relação ao começo do ano.

O documento ainda mostra que o campeão de golpes são links em apps de mensagens. Ao todo, 57,4% dos ataques foram de phishing, quando o usuário é convidado a clicar em link que julga ser real. Em segundo lugar, os golpes com publicidade suspeita somam 19,2% dos casos.

Se comparados ao total da população brasileira (IBGE), projeta-se que um em cada três brasileiros pode ter sido vítima de cibercriminosos – somente entre os meses de abril, maio e junho de 2018. Some-se a isso o fato de terem sido detectados oito links maliciosos a cada segundo do último trimestre – mais de 28 mil detecções por hora (!!). Emilio Simoni, diretor do laboratório.

Os programas empresariais de gestão de riscos cibernéticos começam com o desenvolvimento da cultura e atitude de segurança dos indivíduos.

Como Riscos Emergentes Podem Afetar as Estratégias de Negócios na Logística?

Anteriormente, mencionamos que a Logística 4.0, IoT, LGPD, GDPR, Comércio Eletrônico e Ataques Cibernéticos são apenas algumas das implicações relacionadas ao transporte de carga.

Operadores logísticos deverão preparar-se para lidar com avanços tecnológicos, e a análise de dados (“Big Data”) irá desempenhar um papel importante, tanto na eficiência operacional e previsão de demanda, assim como as tendências de aumento da robotização.

Em terminais de container, os sistemas de gerenciamento de carga, descarga e pátio passaram a cumprir missão crítica para atingir os níveis de eficiência e escala exigidos para essas operações. Entretanto, os exemplos de ataques cibernéticos de grande repercussão se repetem.

Armadores deverão continuar a busca por eficiência em seus navios, incluindo ganhos derivados de sistemas de controle automático ainda mais extensos e autônomos. O curioso é que as mesmas inovações que contribuirão para mudar a dinâmica dos processos logísticos podem ajudar no estabelecimento um novo patamar de riscos.

O aproveitamento de oportunidades exigirá analise aguçada dos Riscos Emergentes e implicações em toda cadeia logística, incluindo interdependência de operações e potenciais interrupção de negócios e lucros cessantes associados.